Clubes do Rio se unem por menino que necessita de doação de medula

Jefferson (Botafogo), Guerrero (Flamengo), Fred (Fluminense) e Martin Silva (Vasco)

Ao mesmo tempo que desperta paixões e aguça rivalidade entre os torcedores, o futebol também é capaz de unir os quatro grandes clubes do Rio de Janeiro em prol de uma campanha que pode salvar a vida de um menino de 11 anos. Trata-se de Henrique Gravatá, que há um ano foi diagnosticado com leucemia. Aluno do 6 ano do Colégio Cruzeiro, no centro do Rio de Janeiro, ele precisa de um transplante de medula óssea para dar sequência ao tratamento. E durante a semana atletas de Botafogo, Flamengo, Fluminense e Vasco fizeram a parte deles para ajudar.

Jefferson, Guerrero, Fred, Martin Silva e diversos jogadores do elenco dos quatro grandes clubes do Rio de Janeiro aceitaram tirar fotos para incentivar os doadores, com frases como: “Doe medula óssea”, “Vamos lutar por Henrique Gravatá”, “Juntos somos mais fortes”. Muitos dos atletas não conhecem Henrique, mas a história desse garoto que ganhou as redes sociais do Brasil com uma única foto – na qual faz um coração com as mãos molhadas de espuma – faz com que todo mundo queira ajudá-lo.

Não é à toa que personalidades das mais diversas áreas fizeram questão de aderir nesta campanha. Atores, cantores e até mesmo o juiz Sérgio Moro, o carnavalesco Paulo Barros e o escritor Luis Fernando Veríssimo tiraram fotos para incentivar a campanha que começou há duas semanas e já se tornou viral nas redes sociais brasileiras.

Através de uma página no Facebook chamada “Doação de Medula Óssea – Henrique Gravatá”, todo o conteúdo é divulgado. A ideia partiu de duas amigas da família de Henrique Gravatá, Leila Carvalho e Márcia Mendonça. Inicialmente, a ideia era fazer um grupo apenas para conhecidos. Com o crescimento, criaram a página. E aí ganharam o mundo, diz Leila, ao L!:

– Nunca esperávamos que tomaria essa proporção, nem nos nossos sonhos e pensamentos mais devaneios. Agradecemos muito a todos que ajudaram, divulgaram e falaram com o próximo. Tudo começou com uma amiga nossa que é atriz e passou para alguns atores, que aderira. Assim foi crescendo e se tornando viral. Todos querendo ajudar. Alcançamos vários países.

Henrique Gravatá está, atualmente, internado em um hospital do Rio de Janeiro no aguardo de um doador compatível. Que a ação dos clubes seja um incentivo para os torcedores aderirem à campanha.